22 de jun de 2012

Continuação: Paladinos da Justiça!

Fala galera, tudo bem com vocês? Bom, após um longo e tenebroso inverno sem postagens por culpa da minha maldita e gente fina internet, estamos de voltas com a nossa saga dos Paladinos. Como visto no ultimo episódio clique aqui, Capitão Feuron estava tendo um diálogo para lá de esquisito com um senhor bem estranho! Estão curiosos para entender essa história, pois bem se deleitem com o teto abaixo. Críticas, sugestões, elogios, nos comentes, a casa e de vocês!

Continuação:

Após Algor ter feito uma oferta de trabalho para Feuron, este responde veementemente:

- Cala essa boca e vamos direto ao ponto. O que eu ganho?
- Vejamos? O que o maior pirata de todos os tempos, e ultimo sobrevivente de sua raça, desejaria? Que tal a imortalidade, ter sua tripulação de volta, seu navio... Juventude eterna, para navegar pra sempre através dos séculos, para você e todos que andarem em seu barco!
- Ham? De que forma você traria eles de volta? E me daria vida eterna? Isso é impossível!
- Veja bem meu rapaz a parte de, como fazer, não esta incluído em nosso contrato. Apenas diga se aceita ou não!
- Que criatura é você? Como poderia fazer isso? Revele sua verdadeira identidade!
- Nobre capitão, meu nome é Algor, sou um velho mago disposto a dar aquilo que você mais cobiça em troca desse simples favorzinho!

Logo após a fala de Algor, em pensamento, Feuron refleti assustado – (Algor? Mago? Agora faz sentido de como ele poderá me conceber a vida eterna, terei meu triunfo contra aqueles que mataram minha tripulação, o grande Capitão Feuron regressará"). E então ele diz:

 – Tudo bem eu aceito seu velho cretino, apenas me diga como selaremos isso, com sangue?
- Não. Não sou tão conservador, um breve aperto de mãos já basta.

Dito isso o velho Algor, sem retirar o seu capuz, estende a mão até Feuron, que, então, leva sua mão lentamente ate tocar a do estranho mago. Quando finalmente elas se tocam, repentinamente algo acontece com o pirata, que parece ser atirado a um lugar sombrio localizado em sua mente. Ele se vê caindo em um poço escuro, e sem fim cercado por uma voz tenebrosa, que parecia narrar algumas visões do que aconteceria na jornada que ele havia aceitado entrar, como se essa voz estivesse ditando as regras. Mal sabia ele que quem estava a falar, era Algor: Para continuar lendo clique em Mais Informações!


- Bem meu caro amigo Feuron, a algumas instruções que devo lhe falar antes de deixar você partir para essa misteriosa aventura. O que esta acontecendo com você agora não é nada de mais, estou apenas retirando uma parcela de seu sangue, algo que vai ti deixar com pouca mais de 1/3 dele, mais não se preocupe que não o deixarei morrer.

- É necessário fazer isso para ativar seu Apeíron, uma energia vital que grande parte da população tem dentro de si (contudo só não sabe que possuem), mas só conseguem ativá-los com uma experiência profunda de quase morte, e quando voltam (se é que voltam), com certo treinamento podem dominar tal energia e desenvolve-la com precisão se assim desejarem. O que não será nenhum problema para um exímio pirata com você! Estou certo?

- E aproveitando nosso tempo juntos vou adiantar alguns detalhes sobre os distintos cavalheiros ao qual, se uniram a sua pessoa, nessa busca. Todos possuem uma forte personalidade, e em suas dimensões, já são ótimos caçadores de criaturas que aterrorizam as redondezas, por isso a importância deles irem com você. E também estão em realidades diferentes,(momentos da história humana), dimensões paralelas que dividem o tempo, como se fosse uma releitura de tudo que acontece aqui, porém. de outra maneira. As oligarquias também se encontram da mesma maneira espalhadas, perdidas no tempo e no espaço. Dito isso, só resta-me deixar-te boa sorte meu bom capitão!

Enquanto tudo isso era falado a Feuron, em seu corpo algo acontecia. A medida que seu sangue era retirado, uma estranha tatuagem se formava em sua pela por todos os lados, algo como que um mapa, porém sem nenhuma coordenada fixa que indicasse, seu início, meio ou fim. Após todo o duro e tortuoso selamento do acordo, Feuron acorda semanas depois pensando ter sido apenas um bizarro sonho.


Ao caminhar ate a entrada da taberna e olhar para seu próprio corpo, o jovem pirata vê as estranhas marcas que ali foram forjadas enquanto dormia, aquilo o deixou em pânico. Como podia ter elas aparecidos? Só poderia ser obra do estranho mago! Para um primeiro contato visual, não faziam nenhum sentido, mas nas paredes atrás dele havia uma estranha frase, em egípcio antigo, que em uma tradução livre, significa ao iniciar sua jornada as marcas do seu corpo o guiaram através dos inúmeros mundos, siga para onde o ponto de luz em sua pele indicar, ele o levara ate os portais que nunca ficam em um mesmo lugar duas vezesa mensagem o assustou profundamente, que sem saber o que deveria fazer, apenas vestiu seus antigos trajes. Antes de conseguir terminar colocá-los, uma forte dor se fez presente, e caindo no chão suando frio adormeceu.

Acordou algum tempo depois em um cais abandonado, de frente para um navio que ali estava atracado. Em seu anti-braço esquerdo um sinal se formou e os fragmentos espalhados pelo corpo que antes não fazia sentido algum, agora eram pedaços de um mapa, que o levaria a um dos portais do quão Algor o havia falado. Visto diante de tal circunstância, Feuron em tom eufórico disse:

- É. Parece que realmente estou de volta a ativa!
- Vamos, então, entrar na brincadeira. Partindo rumo ao desconhecido, sem medo de perder, ganhando o que puder!

Erguendo sua espada, uma fiel e leal amiga de muitas jornadas, com os olhos brilhando Feuron parecia fazer uma espécie de promessa. Como se naquele momento jurasse honrar as almas daqueles que se foram! Caminhando lentamente até seu barco, o capitão deixa uma lagrima escorrer-lhe aos olhos, esta que, por usa vez, escorrega ate seu queixo ficando ali parada. Agachando-se por um breve momento perto do barco, Feuron ve a lágrima cair no mar e o reflexo de seu rosto desaparecer!

Nesse momento, ele pensa consigo mesmo: "Hoje não digo que seu um novo homem, sou o mesmo, porém fui despertado após ter sido desmoralizado. E a partir de hoje tenho um único foco, recuperar o direito de ser chamado Capitão Feuron!"

E, então moçada, gostaram da história ate aqui? Espero que sim, semana que vem vai ter mais, fiquem ligados, um forte abraço!





Por: Winchester.
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

Um comentário: